pordosol-sorocaba

Pôr do sol em Sorocaba é igual a qualquer outro, mas….

por Francine Ramos

Não é fácil decidir escrever uma crônica toda semana, o que me faz admirar muito quem decide mergulhar neste estilo de escrita que envolve o cotidiano, com pitadas de opinião e algumas mentirinhas. Há uma frase maravilhosa de Drummond que diz sobre a função da crônica, que não deve atormentar o leitor, mas apenas recordar-lhe a condição humana. Ele escreveu isso no livro “A Bolsa e a Vida”, que está na minha lista de preferidos no estilo crônicas.

A parte da mentirinha, é coisa de Fernando Pessoa. “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente. Que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente.” Assim, o cronista também pode fingir um pouquinho, afinal, o que é a arte sem essa liberdade de tomar para si mesmo algo que é do outro? Para mim, essas mentirinhas são sobre isso, um jeito de se colocar na pele de uma pessoa que tem uma boa história para contar, seja alegre ou triste.

Nesta semana, Sorocaba foi presenteada com crepúsculos maravilhosos. O céu, no final da tarde, fico todo laranja-rosa-azul-roxo, fazendo muita gente postar nas redes sociais uma bela foto, eu tentei ser uma delas, juro, mas consegui apenas a foto que ilustra esta crônica. Então, se você não viu o céu sorocabano na semana passada, ele estava mil vezes melhor que a minha foto e isto não é parte da mentirinha na crônica.

É curioso acompanhar as coisas positivas que acontecem nas redes sociais, porque não é sempre que as pessoas estão dispostas a falar sobre algo bom. Nos dias de espetáculos do céu, acontece também uma certa democratização nas ideias. Todo mundo faz foto, algumas lindas, outras, como as minhas, nem tanto, mas fica um clima bom, elogiável, amoroso e que leva mais a fundo o termo “compartilhamento”, porque, naquele momento do click, não eram apenas as cores, mas aquela sensação de que há algo acontecendo de belo, todos os dias, apesar de.

Inúmeras pessoas com diversas experiências de vida. Algumas felizes, outras tristes. Pessoas de humanas e de exatas. A galera da esquerda, a galera da direita, petralhas, tucanos, coxinhas, o Seu Joaquim do boteco da esquina, quem assiste Game Of Thrones, quem odeia Game Of Thrones, até fãs do “Bolsomito” compartilharam o pôr do sol. Alguns usaram a hashtag #amotemer (ok, isso é mentira), outros #foratemer, alguns ainda confiaram no #mandanudes. Assim, entre tantas coisas diferentes e opostas, havia a certeza de que o pôr-do-sol em Sorocaba estava lindo mesmo!

Francine Ramos é sorocabana, professora, mediadora de leitura e tem um blog, o Livro&Café. 




Sem comentários

Adicione um comentário