oficina-cultural-grande-otelo

Governo Alckmin fechará a Oficina Cultura Grande Otelo

via Cruzeiro do Sul

A Oficina Cultural Grande Otelo (GO) será fechada em 1º de janeiro de 2017. A instituição, que desde 2014 funciona em provisória, no Centro, está entre as 11 do interior do estado de São Paulo que serão desativadas por decisão do governador Geraldo Alckmin (PSDB). A informação foi confirmada na tarde desta sexta-feira (25) pela coordenadora da GO, Bernadete Pacheco.

A Secretaria Estadual de Cultura e a Poiesis (Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura), organização social responsável pela gestão das oficinas no Estado de São Paulo, foram procuradas pela reportagem, mas não responderam aos questionamentos até o fechamento desta edição.

De acordo com Bernadete, o comunicado de fechamento das unidades a partir do ano que vem foi feito pela diretoria da Poiesis, em uma reunião na tarde de quinta (24), em São Paulo. No encontro, porém, não foram explicitados os motivos que fizeram com que o governo estadual rescindisse unilateralmente o contrato com a organização social, que venceria no final de 2018.

Atualmente, além da coordenadora, a Oficina Cultural Grande Otelo conta com dois funcionários e funciona na sede provisória, na rua Ramos de Azevedo, 277, já que em 2014 o prédio do antigo Fórum Velho, na Praça Frei Baraúna, foi fechado para reformas. Bernadete assinalou que toda  programação de oficinas, palestras e sessões de cinema já anunciadas para dezembro serão mantidas. “Essa notícia pegou a gente de surpresa. Nós já estávamos com a programação do primeiro trimestre de 2017 completamente pronta”, comentou a coordenadora.

Nas redes sociais, artistas e produtores culturais já começaram a se mobilizar contra o fechamento da GO, instituição historicamente conhecida como efervescente polo de formação cultural que atende 65 municípios da região e agendaram para esta sexta (25) às 20h, uma reunião nas escadarias da Fórum Velho, para avaliar as ações em protesto à decisão do governo paulista, que classificam como “desmonte da cultura”.




Sem comentários

Adicione um comentário